segunda-feira, 6 de março de 2017

O que é o fruto da vida do crente?


Quando Jesus falou sobre o fruto [ou frutos] que seus seguidores deveriam ter, a que tipo de resultado ele estava se referindo? É basicamente a resposta desta pergunta que eu gostaria de compartilhar neste breve texto. Primeiramente quero tratar sobre o que não são estes frutos.

            Geralmente cometemos a falha de observar os frutos por uma perspectiva errada e não poucas vezes confundimos os “critérios de avaliação”. Somos mais tendenciosos a nos impressionar com grandes sinais, carismas, dons e expressões que saltam aos nossos olhos. Queremos ver as coisas acontecendo e sentir o arrepio na pele. Porém, se tratando dos frutos que Jesus disse, esses não são os primeiros indicadores, tampouco o que os determina.

            Os frutos que Jesus espera de nós não são, primeiramente, expressão de autoridade, poder, milagre ou algum outro carisma. Pois o próprio Jesus disse, referindo-se a esse contexto: “Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade.” (Mateus 7:22.23) ou seja, é possível fazer tudo isso e não ser discípulo de Cristo.

            Dito isto, vamos pensar sobre o que seria então os frutos. Quando lemos o sermão do monte, Jesus estava ensinando sobre qualidades distintivas de um discípulo, ou seja, caráter, tais como humildade, mansidão, justiça, misericórdia e outros. Em outra ocasião ele diz: “Nisto é glorificado meu Pai, que deis muito fruto; e assim sereis meus discípulos. ” (João 15:8) e para Jesus, o “ser discípulo” estava relacionado a “negar a si mesmo” pois "...qualquer que não levar a sua cruz, e não vier após mim, não pode ser meu discípulo." (Lucas 14:27) e isso indica viver a vida de Cristo, por isso, o fruto da vida do crente não é medido por ações extraordinárias ou seus feitos, mas por seu caráter ser o mais próximo do de Cristo. Neste sentido fica muito claro quando lemos Gálatas 5.22-23 falando sobre caráter e não sobre carisma quando trata sobre o fruto do Espírito. Jesus estava falando sobre ter um caráter transformado e não sobre grandes demonstrações de poder.

            Voltando à Mateus 7, após Jesus dizer “pelos seus frutos os conhecereis. ” (v.20) ele diz quem é o tipo de pessoa que produz bons frutos: “Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras, e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha” (Mateus 7:24) e aqueles a quem Jesus disse: “Nunca vos conheci” são os insensatos: “E aquele que ouve estas minhas palavras, e não as cumpre, compará-lo-ei ao homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia” (Mateus 7:26) e estes não produzem bons frutos.

            Portanto, busquemos todos os dias ter um caráter semelhante ao de Cristo e não expressão de poder algum. Que sejamos mais parecidos com o homem prudente que ouve a palavra de Deus e as pratica. Certamente esta é uma obra que somente Cristo pode operar em nossas vidas, por isso, devemos clamar pela transformação graciosa todos os dias em nossas vidas. Sugestão de leitura: Mateus 7.15-29; João 15.16-20 e Gálatas 5.22-23.

Em Cristo,
Willy Menezes


Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 Comentários:

Postar um comentário

Porque o amor de Cristo nos constrange, julgando nós assim: que, se um morreu por todos, logo todos morreram. E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou. 2 Coríntios 5:14-15

Volte sempre!